0
Consultados
imóveis visualizados recentemente
Ver todos Sem Consultados
0
Imóveis favoritos
imóveis adicionados
Ver todos Sem Favoritos

Estabilização do mercado imobiliário em

Para o presidente da APEMIP, Luís Lima, é expectável que o mercado sinta uma estabilização ou uma ligeira quebra no número de transações imobiliárias.

Notícias Tudo o que necessita de saber sobre o sector imobiliário
Notícias
Voltar    \    Notícias
Estabilização do mercado imobiliário em 2020
26 dez 2019
Estabilização do mercado imobiliário em 2020
Para o presidente da APEMIP, Luís Lima, é expectável que o mercado sinta uma estabilização ou uma ligeira quebra no número de transações imobiliárias.

No terceiro trimestre do ano venderam-se 45.830 casas – mais que nos dois trimestres anteriores, mas menos 0,2% que no período homólogo (45.935 transações). Os números, diz o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, vão ao encontro dos sinais que o "mercado tem dado aos agentes do setor", e apontam para uma estabilização em 2020.

“Em termos homólogos temos sentido um ligeiro abrandamento no número de transações efetuadas, que se justifica essencialmente pela diminuição do stock existente”, refere o líder dos mediadores, acrescentado que, no entanto, e no que diz respeito a valores de transações, “verificamos um aumento de 3% em relação ao mesmo período do ano anterior, que demonstra que os valores de venda têm vindo a crescer”.

Apesar de ser “difícil prever o comportamento do mercado para o ano que se aproxima”, Luís Lima adianta que é “expectável que o mercado sinta uma estabilização ou uma ligeira quebra no número de transações imobiliárias”.

“É difícil prever o seu comportamento, uma vez que é extremamente complexo monitorizar um mercado onde há fortes desequilíbrios entre a oferta e a procura. Neste caso, a oferta existente não é suficiente para dar resposta as necessidades da procura, que tem vindo a crescer, não só no mercado de compra e venda como no mercado de arrendamento”, conclui o representante da APEMIP.

@ Fonte: Idealista - 
https://www.idealista.pt/
 

Veja também